Terrível erro de Michel Temer vem à tona e deixa todos nós em risco

Terrível erro de Michel Temer vem à tona e deixa todos nós em risco!

O presidente da República, Michel Temer, do PMDB,  passa por um momento difícil no momento em que está à frente de um dos cargos mais importantes do país.

 

O peemedebista tem que fazer fortes investimentos de mudanças e tentar valer suas metas, como a problemática e polêmica reforma da Previdência, um assunto que atinge todos nós.

 
 

Michel Temer tem encontrado dificuldades para ultrapassar essas barreiras  e um terrível erro agora pode comprometer ainda mais esse trabalho desempenhado por ele.

 

 

Michel Temer vive pesadelo nas mãos da justiça e é obrigado a retirar propaganda do ar
Recentemente, na tentativa de convencer eleitores a acreditarem na reforma da Previdência, o presidente Michel Temer e o seu gabinete investiram em propagandas pesadas para tentar mudar a conjuntura da situação.

 

Campanha da Previdência é retirada do ar a mando da Justiça e plano de Michel Temer é prejudicado

 

A juíza, que trabalha no Distrito Federal, determinou que a campanha não fosse tirada do ar apenas na televisão, mas também em outros meios de comunicação, como rádio e jornais.

 

Com isso, o marketing de que a mudança da Previdência adotada por Temer é boa pode ser corrompido e o seu plano prejudicado.

 

A Justiça do Distrito Federal tomou essa providência após uma associação, a Anfip (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil),

 

e outras entidades de classe entrarem com uma ação contra a propaganda.

 

 

Juíza acusa campanha de Michel de desvio de finalidade e comercial é suspenso
Caso o governo insista em continuar mostrando o comercial, a multa diária que terá que pegar pela veiculação do comercial é de R$ 50 mil.

 

A juíza que deu a sentença argumentou que a campanha da Previdência tinha desvio de finalidade e que errou ao dizer que certas pessoas tinham privilégios, aposentando-se primeiro, já que, na verdade, a aposentadoria delas era um direito adquirido.

 

O Palácio do Planalto não comentou essa decisão judicial sobre a reforma da Previdência, que é o principal ponto atual do governo de Michel Temer.